18 June, 2019

Peixe fora d’água, um quadrinho fora do padrão

Quando se fala em historias em quadrinhos a primeira coisa que lhe vem à cabeça provavelmente são os grandes super heróis da Marvel, DC Comics e Image ou os anti heróis da nada convencional Vertigo. Mas hoje o foco será uma obra que se encaixa no estilo famigerado dos quadrinhos alternativos.

De alguns que li (não sou nenhum especialista, apenas grande fã de HQ’s em geral) o quadrinho Peixe fora d’água foi um dos que mais me chamou a atenção pelos seus textos curtos e ilustrações exóticas que evocam diversas sensações em poucas páginas lidas.

20160405_202803

Lançado em meados de 2011 o compilado de historias possui desde pequenas e satirizadas situações rotineiras e processos de criação de um quadrinista à exploração espacial e pequenas historias com foco no existencialismo sempre com uma boa dose humor amargo.

Além de diversos textos, poemas e ilustrações que beiram a tosquice. Um prato cheio para quem gosta de um design e diagramação que fujam de padrões.

Pareidolia-0001 55_245-35-urso

quandoentorpecida02

Peixe fora d’água é a primeira revista lançada por Diego Sanchez e Laura Lannes, artistas que não ficaram de braços cruzados esperando que o reconhecimento lhes caísse ao colo e produziram, de forma independente e do próprio bolso, esta primeira edição. Além de Diego e Laura um time de colaboradores foi chamado para a realização desta obra.

flyer_peixeforadagua

Esta primeira edição, na época, era vendida por R$12,00 com 100 páginas alternando ilustrações P&B e coloridas, num formato de 14,8 cm por 21 cm, contando com obras de Diego Sanchez, Laura Lannes, André Dahmer, Antonia Torres, Artur Carrasco, Carolina Menezes, Daniel Cramer, Diego Gerlach, Diego Guerra, Flávio Vasconcellos, Guilherme Lírio, Heitor Isoda, Isabel Francis-Cloutier, Lili Noujaim, Lucas Pelegrineti, Maíra Senise, Marco Oliveira, Marina Cotrim, Morganna Mastrianni, Murilo Souza, Nicola Gower-Wallis, Pablo Carranza, Pedro Zylbersztajn, Santiago Lampreia, Sirlanney, Victor Mattos, Vidi Descaves.

Acredito que a única forma de se adquirir esta obra, hoje em dia, seja como eu mesmo fiz, comprando em sebo, se der a sorte de achar algum exemplar, é claro.

Share

Comentários: