Conceito e criatividade: Conheça o projeto “Breves Bandeiras”

O que é possível afirmar hoje numa bandeira?

Essa é a pergunta que deu origem ao projeto Breves Bandeiras, uma ação do Estúdio Lampejo, que fica sediado em Belo Horizonte, Minas Gerais. A ideia teve como ponto de partida as bandeiras de cidades, estados, nações e agremiações, sua função na vida cotidiana e os princípios que orientam sua criação.

“Pensá-las como uma plataforma visual para a criação nos parecia interessante pelo seu significado social, suas conotações culturais e pelo processo de criação e edição de suas”. – diz a descrição do projeto no site do estúdio.

A série lançada em 2107 conta com sete peças ao total, intituladas pelos criadores como anti-bandeiras, cada uma seguindo uma linha conceitual que passeia pela criatividade, subversão e bom gosto, fazendo desse um projeto destaque no cenário do design alternativo brasileiro.

“Ao longo do processo, descobrimos que temos muito poucas certezas para enaltecer numa bandeira. Por isso bordar bandeiras efêmeras, ao contrário das bandeiras oficiais.”.

Confira as sete anti-bandeiras e seus significados:

Bandeira “FEBRE

A sutil diferença de vibrações entre os vermelhos configuram a palavra “febre” como uma miragem, um delírio. Esta anti-bandeira representa o estado de paixão, de exaltação e entusiasmo.

Bandeira “NUNCA DORMIR, NUNCA ACORDAR”

Primeira a ser criada para a coleção, esta anti-bandeira investiga a representação de fronteira entre sonho e realidade, a sensação de torpor e vigília.

Bandeira “ÓCIO”

O signo do anzol sobre a alvorada evoca a imagem do pescador artesanal como eixo trabalho vs. vida, ou tempo alienado vs. tempo próprio, em que as noções de produtividade estão sujeitas às necessidades de criação, investigação e felicidade do indivíduo. Esta anti-bandeira é uma celebração do ócio enquanto estado de abertura e reflexão, entendido aqui como o “gozo da liberdade”.

Bandeira “QUASE”

Em teoria, a palavra Brasil tem sua origem na cor avermelhada da madeira encontrada pelos primeiros colonizadores, o “pau-brasil”, em alusão à cor da brasa. O pigmento de cor avermelhada extraído desta madeira era empregado no tingimento de tecidos, e foi vastamente explorado devido à sua valorização na Europa. Esta anti-bandeira é formada pelo desequilíbrio e pela conclusão da estrutura de uma bandeira pré-existente. Suas cores respeitam os três estágios da madeira: a vida, a brasa e a cinza. Em posição à cor verde, popularmente associada à esperança, a palavra QUASE evoca ideias de interrupção e incompletude.

Bandeira “SÓ”

A simplicidade total, a ausência de qualquer elemento gráfico com exceção da palavra. Esta anti-bandeira busca representar não apenas a ideia de isolamento, mas a completude na busca pela essência.

Bandeira “TEIMOSIA”

As duas formas geométricas desta anti-bandeira se equilibram por um único ponto de apoio. Buscando traduzir e expressão popular “murro em ponta de faca”, esta anti-bandeira é uma metáfora sobre o triunfo improvável da persistência, da convicção e da fé.

Bandeira “TUDO VIBRA”

Esta anti-bandeira representa a conexão entre o todo e suas partes. O ritmo da repetição de formas cria um espaço de tensão entre elas, onde as palavras parecem provocar uma desarmonia.

Leilão virtual

Foi desenvolvido um hotsite para o leilão virtual das bandeiras que teve a duração de sete dias. Através do site, o público poderia dar lances e também acompanha-los por email. Todas as peças foram arrematadas.

Designer gráfico, músico e fundador do INSPI. De Curitiba para o mundo!

Comentários no Facebook