Estão abertas as inscrições para a Bienal de Arte Digital 2018

O Festival de Arte Digital (FAD) irá promover sua primeira Bienal de Arte Digital em 2018. Os artistas interessados em apresentar trabalhos culturais e artísticos que dialogam com a proposta e a temática desta edição , que será “Linguagens híbridas”, terão mais uma oportunidade para se inscrever. Os trabalhos selecionados irão integrar a programação da Bienal em Belo Horizonte e também no Rio de Janeiro. Na capital mineira, a mostra será realizada entre 26 de março e 29 de abril, no Conjunto Moderno da Pampulha – Museu de Arte de Pampulha (MAP), Casa do Baile, Casa Kubitschek, Casa Fiat de Cultura e no espaço Atmosphera. Já no Rio de Janeiro o evento será entre 05 de fevereiro e 18 de março, no Oi Futuro Flamengo.

Os trabalhos inscritos devem refletir e trazer para debate a experimentação de novas linguagens artísticas com o uso de novas ferramentas e tecnologias. Podem se inscrever profissionais e estudantes de qualquer idade e de diversas áreas, brasileiros e internacionais, artistas, criadores, produtores ou coletivos artísticos. No caso de menores de 18 anos que forem selecionados será preciso autorização dos responsáveis.

O objetivo do processo seletivo é democratizar e ampliar o acesso à produção digital e à difusão da cultura digital, além de estabelecer relações com novos produtores e artistas nacionais e internacionais. São aceitos trabalhos de cunho artísticos e culturais, para uso em exposições e performances – shows, apresentações, intervenções e outros; e de pesquisa, inovação e desenvolvimento, para uso em simpósios, palestras, painéis e oficinas.

A inscrição é gratuita e deverá ser feita exclusivamente pelo site da bienal do FAD. O edital está disponível aqui. O resultado será divulgado em até 45 dias após o encerramento das inscrições, via site e redes sociais da Bienal.

O vídeo com as informações sobre a chamada está disponível no link abaixo:

Sobre o tema

As configurações atuais da Arte Tecnológica têm se fundido com a vida contemporânea, num processo viral de trocas incessantes entre o mundo real e o simulado. Criam-se trabalhos híbridos, nos quais o digital e o analógico, o natural e o artificial, o real e o virtual, se atravessam. A tecnologia passou a ser vista como um fator constitutivo da vida humana  e com a biotecnologia, a própria vida. As pesquisas científicas são reapropriadas e se transformam em linguagens artísticas, através do uso da interatividade, virtualidade, sistemas híbridos e imersão.

​​Nesta edição especial do FAD, denominada Bienal de Arte Digital, o objetivo será exibir trabalhos e conceitos através dos quais as transformações, ao longo do tempo, dos processos digitais na vida, na criatividade e na sociedade através da arte e da comunicação, criam experiências por meio das hibridações imersivas aos visitantes.

Share

Designer gráfico, músico e fundador do INSPI. De Curitiba para o mundo!

Comentários no Facebook