Beco do Batman tem passeio sensorial para pessoas com deficiência visual

O Beco do Batman, na Vila Madalena, em São Paulo, é conhecido mundialmente pelos seus murais vibrantes e expressivos que decoram as vielas dessa região icônica e turística da cidade de São Paulo. No entanto, para aqueles que não têm condições de enxergar, experimentar essa forma única de arte torna-se um desafio.

Pensando em apoiar o Dia Nacional da Pessoa com Deficiência Visual, celebrado no dia 13 de dezembro, e em dar a oportunidade para todas as pessoas de apreciar o local, surgiu o “Beco Online”, um projeto voluntário inovador que busca proporcionar uma experiência sensorial inclusiva para as pessoas cegas e/ou com baixa visão, permitindo que elas explorem virtualmente esse ponto turístico fascinante e percebam a beleza dos murais. O site estará no ar a partir do dia 13 de dezembro de 2023.

No Brasil, de acordo com o último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, de 2010, existem mais de 6,5 milhões de pessoas com deficiência visual, sendo 506 mil cegas e cerca de 6 milhões com baixa visão. Para essas pessoas o acesso à arte e à cultura se dá por meio de muitas dificuldades, sendo assim, o projeto surge como uma oportunidade de quebrar barreiras e promover acessibilidade e inclusão nos espaços mais inusitados.

Como funciona: Trilhas e audiodescrição para todos

A audiodescrição é um recurso que proporciona informações verbais detalhadas sobre elementos visuais, como cenas de filmes, exposições de arte ou locais turísticos tornando as experiências visuais mais acessíveis.

Diferente dos recursos tradicionais, o “Beco Online” não utiliza imagens dos murais, em vez disso, oferece trilhas de audiodescrição detalhadas, permitindo que as pessoas cegas explorem as obras de arte por meio das palavras. Este formato único proporciona uma experiência “crua”, sem julgamentos, interpretações ou censura, incentivando a liberdade de apreciação ou discordância, utilizando apenas um dispositivo (celular ou computador) e fones de ouvido, ou seja, a pessoa fará uma visita ao Beco sem sair de casa.

As trilhas foram cuidadosamente desenvolvidas por audiodescritores, com a validação de uma pessoa consultora, que é cega. Esta abordagem colaborativa garante a fidelidade e autenticidade do material, permitindo que a experiência seja verdadeiramente inclusiva.

Foto de uma obra no Beco do Batman: Grafite de cogumelos de cores vibrantes e diferentes tamanhos. Pequenas margaridas, espadas de São Jorge, beija-flores e cobras se mesclam com o jardim psicodélico. Arte: Boleta Bike
Grafite de cogumelos de cores vibrantes e diferentes tamanhos. Pequenas margaridas, espadas de São Jorge, beija-flores e cobras se mesclam com o jardim psicodélico. Arte: Boleta Bike

Com o lançamento do “Beco Online”, não apenas os indivíduos com deficiência visual têm a oportunidade de conhecer os murais, mas também aqueles que enxergam podem expandir sua compreensão sobre a relevância dos recursos.  O projeto convida a todos a refletirem sobre como a deficiência pode impactar diariamente a rotina, destacando a importância da inclusão em todos os espaços. “A experiência proporcionada pelo “Beco Online” não é apenas visual, mas uma jornada inclusiva que promove empatia e compreensão, transcendendo as limitações físicas para criar conexões significativas”, afirma uma das idealizadoras do projeto e profissional audiodescritora, Yara Forastieri.

A ideia é também apresentar a possibilidade desse recurso com a inserção de uma identificação com o QR Code que leve o projeto para curiosos visitantes que passam pelo espaço físico do Beco. O acesso estará disponível nas entradas do local para qualquer pessoa.  As versões das trilhas em inglês também estão sendo trabalhadas para que turistas consigam conectar.

O Beco do Batman é de responsabilidade dos moradores, lojistas e membros de um grupo que cuidam e conservam o local, e que apoiam a causa. O projeto foi comunicado e alinhado com os artistas Boleta e NDRUA. Boleta iniciou a arte de rua no final da década de 80. Participou de diversos movimentos protagonizados por grupos que ocuparam os espaços públicos da cidade com a sua arte. Frederico Jorge, conhecido como NDRUA, nasceu em 1981 e há mais de 15 anos expressa sua arte pelos muros da cidade.

O desenvolvimento do “Beco Online” é inteiramente baseado no trabalho voluntário, que também conta com a participação de membros da SOMOS, uma empresa atuante na área de acessibilidade. Apesar de nem todos serem profissionais ou especialistas em audiodescrição, esses colaboradores, ligados por sua dedicação à causa, representam um esforço conjunto de indivíduos comprometidos que reconhecem a importância da inclusão na sociedade.

Essa iniciativa representa uma jornada desprovida de obstáculos pela arte, liderada por vozes comprometidas com a criação de um mundo mais inclusivo. O projeto promete atualizações regulares, abrangendo os murais rotativos do Beco do Batman, e almeja expandir sua atuação para outros espaços.

Para explorar o Beco Online, basta visitar o site somosacessibilidade.com.br/beco-online

Foto de capa: Beco do Batman em 2017, por Diego Grandi/Depositphotos.com